Estocolmo: um passeio pelo lago Malaren e o Palácio de Drottningholm.

A cidade de Estocolmo, que conta com 3 lugares declarados Patrimônio da Humanidade pela UNESCO: Birka, a antiga cidade viking, Skogskyrkogården, o grande cemitério do bosque e o Palácio de Drottningholm, a Residência da família real. Uma vez na bela capital sueca, se o vosso tempo o permite e gosta dos palácios tipo Versalhes, eu recomendo visitar o Palácio de Drottningholm, uma opulenta residência barroca, cheia de história e onde você pode ver como aqui também gosta da opulência e ostentação. 
Na minha viagem do verão passado em Estocolmo, pude desfrutar de alguns dias com temperaturas suaves que nos convidaram para passear e apreciar com calma a bela capital sueca, mas também nos permitiu fazer alguma excursão pelos arredores para conhecer um pouco mais da cultura sueca. 
Como sabeis, em viagens nem sempre saem as coisas como tem planejado ( mais tudo bem o contrário, já que minha intenção era fazer uma excursão a Birka, a cidade viking, a mais antiga da Suécia, que data do século IX. Minha confiança me fez acelerar até o último dia e ao chegar ao cais junto ao conselho Municipal da cidade, vi que me tinha ficado na terra, já que para ir a Birka o único barco jornal saía as 10:00 da manhã. Diante de tão tipográfico e imperdoável falha da minha parte ( me apontou o erro) eu decidi seguir o plano B e deixar a visita para outro lugar carregado de história: Drottningholm ou a ilha da rainha. 
Aproveitando que os navios e os ingressos estão mesmo ao lado, eu recomendo a visita do Stadshuset, o bonito da câmara municipal de Estocolmo, com sua esplendorosa agulha dourada e onde você tem uma vista maravilhosa de Gamla Stan, a cidade velha. 
Composto por mais de 8 milhões de tijolos e uma torre de 106 metros de altura, é um dos edifícios mais populares da cidade. 

E, por fim, subimos a um belo barco de vapor e em menos de uma hora, dando um passeio maravilhoso pelo Lago Malaren, encontramos o Palácio de Drottningholm, uma jóia arquitetônica do século XVII, que fará as delícias dos amantes dos palácios, o luxo e o glamour. 
Mas nesta visita, o primeiro que há que fazer é desfrutar do passeio em barco pelo lago e admirar a vista, a paisagem e a quantidade de locais de interesse que encontramos ao longo do caminho, e, porque não, tomar um aperitivo no bar do navio Stromma. 
Entre outros pontos de interesse, teremos a oportunidade de ver alguns dos subúrbios de Estocolmo, onde encontramos escritórios de grandes empresas ou blocos de apartamentos de design junto ao lago Malaren. Também anda por aqui Lux, o restaurante com uma estrela Michelin, localizado em uma antiga fábrica da Electrolux e com uma localização privilegiada às margens do lago. 
Mais tarde, divisamos ao longe pequenos ilhéus com pequenas casas de madeira alguns, outros com mansões deslumbrantes e muita, muita vegetação. Se você quiser saber mais sobre estes pontos de interesse olhai o mapa que eu fiz com a rota e os pontos mais destacados, com o seu significado: 
Vemos até uma colina com muita história encimado por um chapéu, Kungshatt: nesta colina, o rei Gustavo Adolfo II escapou de seus inimigos, dando um salto para o penhasco. Seus perseguidores tão somente puderam ficar com seu chapéu. Hoje, lembro-me de essa gesta heróica, podemos ver a escultura de um chapéu no alto desta colina. 
A relação deste povo com a água é muito estreita e são muito típicas das casas de banho, lugar acondicinado que se usava para o desfrute do lago. Antes de chegar vemos uma das casas de casas de madeira mais bem conservada da Suécia, construída em 1792 e onde costumavam banhar-se reis e residentes da área. 
Deixo-vos o vídeo que eu montei sobre as visitas do dia para ter uma idéia do passeio e do Palácio: 

Uma vez chegado à ilha de Drottnigholm, que significa ilha da rainha, poderemos admirar a residência real e palácio barroco ( começou a ser construída em 1662) mais importante da Suécia. Aqui mora a família real, a partir de 1981, em uma ala do palácio, que como você pode imaginar, não é visitável, pelo que há que contentar-se com ver as estadias abertas ao público, que não é pouco. Descobrimos aposentos reais do século XVII e XVIII, uma grande coleção de obras de arte, uma ampla biblioteca de 1760, salas de audiências, mobiliário de luxo, até uma sala decorada com motivos chineses!!...tudo de acordo com o luxo e glamour dos palácios desta época. 
Cada hora oferecem visitas guiadas de pouco mais de uma hora de duração em sueco e inglês, coisa que eu recomendo para descobrir e compreender alguns dos recantos deste palácio. Não deixam tirar fotos, outra coisa que me enfurece bastante e que não consigo entender depois de ter pago uma entrada. 
Fazer-vos uma ideia de que tudo é muito rápido e vemos os quartos em 5 minutos, acompanhados das explicações do guia. Mas é uma boa forma de entender a mentalidade da época e saber como se vivia no Palácio. 
Se você gosta deste tipo de visitas vai desfrutar muito com este luxuoso Palácio onde vive a Família real sueca. 

Os arredores não são menos espetaculares. Os jardins barrocos a parte de trás do Palácio foram projetados em 1681, e são inspirados em Versalhes, como muitos dos jardins palacianos da época, e são uma amostra do gosto e da perfeição com a projetamos estes espaços verdes para o relaxamento e desfrute das famílias reais. Mais tarde foram acrescentadas estradas, pontes e lagos para realçar ainda mais este precioso espaço verde. 
Você também pode visitar o Pavilhão Chinês, o palacete, onde o Rei Gustav III passava seus verões ou o Teatro da corte de Drottningholm, um lugar único, onde se realizavam funções há 200 anos... 
O conjunto do Palácio, junto com os jardins e o teatro real estão incluídos na lista do Património da Humanidade da UNESCO. 
E se vos sobra tempo para dar um passeio, ou descansai pelo imenso parque real que, nas proximidades do Palácio. Sabereis o que é tranquilidade. 

Após esta visita só resta subir de novo o barco a vapor e desfrutar caminho para Estocolmo de um encantador e plácido viagem pelo lago Malaren. 
Dados de interesse 
– Palácio de Drottningholm. http://www.kungahuset.se/ 
Navios da companhia Strömma Kanalbolaget a cada hora, junto à câmara Municipal de Estocolmo. Preço:165 SEK ( 18 euros ). 
Entrada no Palácio 80 SEK ( 9 euros ) Entrada combinada Palácio - Pavilhão chinês 130 SEK ( 14 euros ). 
Hoarios do palácio: No verão das 10:00 às 16:30 e no inverno apenas aos sábados e domingos. 
– Birka, a cidade viking. No verão saídas diárias do cais da câmara municipal às 10:00.

A cidade de Estocolmo, que conta com 3 lugares declarados Patrimônio da Humanidade pela UNESCO: Birka, a antiga cidade viking, Skogskyrkogården, o grande cemitério do bosque e o Palácio de Drottningholm, a Residência da família real. Uma vez na bela capital sueca, se o vosso tempo o permite e gosta dos palácios tipo Versalhes, eu recomendo visitar o Palácio de Drottningholm, uma opulenta residência barroca, cheia de história e onde você pode ver como aqui também gosta da opulência e ostentação.
Na minha viagem do verão passado em Estocolmo, pude desfrutar de alguns dias com temperaturas suaves que nos convidaram para passear e apreciar com calma a bela capital sueca, mas também nos permitiu fazer alguma excursão pelos arredores para conhecer um pouco mais da cultura sueca.
Como sabeis, em viagens nem sempre saem as coisas como tem planejado ( mais tudo bem o contrário, já que minha intenção era fazer uma excursão a Birka, a cidade viking, a mais antiga da Suécia, que data do século IX. Minha confiança me fez acelerar até o último dia e ao chegar ao cais junto ao conselho Municipal da cidade, vi que me tinha ficado na terra, já que para ir a Birka o único barco jornal saía as 10:00 da manhã. Diante de tão tipográfico e imperdoável falha da minha parte ( me apontou o erro) eu decidi seguir o plano B e deixar a visita para outro lugar carregado de história: Drottningholm ou a ilha da rainha.
Aproveitando que os navios e os ingressos estão mesmo ao lado, eu recomendo a visita do Stadshuset, o bonito da câmara municipal de Estocolmo, com sua esplendorosa agulha dourada e onde você tem uma vista maravilhosa de Gamla Stan, a cidade velha.
Composto por mais de 8 milhões de tijolos e uma torre de 106 metros de altura, é um dos edifícios mais populares da cidade.

E, por fim, subimos a um belo barco de vapor e em menos de uma hora, dando um passeio maravilhoso pelo Lago Malaren, encontramos o Palácio de Drottningholm, uma jóia arquitetônica do século XVII, que fará as delícias dos amantes dos palácios, o luxo e o glamour.
Mas nesta visita, o primeiro que há que fazer é desfrutar do passeio em barco pelo lago e admirar a vista, a paisagem e a quantidade de locais de interesse que encontramos ao longo do caminho, e, porque não, tomar um aperitivo no bar do navio Stromma.
Entre outros pontos de interesse, teremos a oportunidade de ver alguns dos subúrbios de Estocolmo, onde encontramos escritórios de grandes empresas ou blocos de apartamentos de design junto ao lago Malaren. Também anda por aqui Lux, o restaurante com uma estrela Michelin, localizado em uma antiga fábrica da Electrolux e com uma localização privilegiada às margens do lago.
Mais tarde, divisamos ao longe pequenos ilhéus com pequenas casas de madeira alguns, outros com mansões deslumbrantes e muita, muita vegetação. Se você quiser saber mais sobre estes pontos de interesse olhai o mapa que eu fiz com a rota e os pontos mais destacados, com o seu significado:
Vemos até uma colina com muita história encimado por um chapéu, Kungshatt: nesta colina, o rei Gustavo Adolfo II escapou de seus inimigos, dando um salto para o penhasco. Seus perseguidores tão somente puderam ficar com seu chapéu. Hoje, lembro-me de essa gesta heróica, podemos ver a escultura de um chapéu no alto desta colina.
A relação deste povo com a água é muito estreita e são muito típicas das casas de banho, lugar acondicinado que se usava para o desfrute do lago. Antes de chegar vemos uma das casas de casas de madeira mais bem conservada da Suécia, construída em 1792 e onde costumavam banhar-se reis e residentes da área.
Deixo-vos o vídeo que eu montei sobre as visitas do dia para ter uma idéia do passeio e do Palácio:

Uma vez chegado à ilha de Drottnigholm, que significa ilha da rainha, poderemos admirar a residência real e palácio barroco ( começou a ser construída em 1662) mais importante da Suécia. Aqui mora a família real, a partir de 1981, em uma ala do palácio, que como você pode imaginar, não é visitável, pelo que há que contentar-se com ver as estadias abertas ao público, que não é pouco. Descobrimos aposentos reais do século XVII e XVIII, uma grande coleção de obras de arte, uma ampla biblioteca de 1760, salas de audiências, mobiliário de luxo, até uma sala decorada com motivos chineses!!…tudo de acordo com o luxo e glamour dos palácios desta época.
Cada hora oferecem visitas guiadas de pouco mais de uma hora de duração em sueco e inglês, coisa que eu recomendo para descobrir e compreender alguns dos recantos deste palácio. Não deixam tirar fotos, outra coisa que me enfurece bastante e que não consigo entender depois de ter pago uma entrada.
Fazer-vos uma ideia de que tudo é muito rápido e vemos os quartos em 5 minutos, acompanhados das explicações do guia. Mas é uma boa forma de entender a mentalidade da época e saber como se vivia no Palácio.
Se você gosta deste tipo de visitas vai desfrutar muito com este luxuoso Palácio onde vive a Família real sueca.

Os arredores não são menos espetaculares. Os jardins barrocos a parte de trás do Palácio foram projetados em 1681, e são inspirados em Versalhes, como muitos dos jardins palacianos da época, e são uma amostra do gosto e da perfeição com a projetamos estes espaços verdes para o relaxamento e desfrute das famílias reais. Mais tarde foram acrescentadas estradas, pontes e lagos para realçar ainda mais este precioso espaço verde.
Você também pode visitar o Pavilhão Chinês, o palacete, onde o Rei Gustav III passava seus verões ou o Teatro da corte de Drottningholm, um lugar único, onde se realizavam funções há 200 anos…
O conjunto do Palácio, junto com os jardins e o teatro real estão incluídos na lista do Património da Humanidade da UNESCO.
E se vos sobra tempo para dar um passeio, ou descansai pelo imenso parque real que, nas proximidades do Palácio. Sabereis o que é tranquilidade.

Após esta visita só resta subir de novo o barco a vapor e desfrutar caminho para Estocolmo de um encantador e plácido viagem pelo lago Malaren.
Dados de interesse
– Palácio de Drottningholm. http://www.kungahuset.se/
Navios da companhia Strömma Kanalbolaget a cada hora, junto à câmara Municipal de Estocolmo. Preço:165 SEK ( 18 euros ).
Entrada no Palácio 80 SEK ( 9 euros ) Entrada combinada Palácio – Pavilhão chinês 130 SEK ( 14 euros ).
Hoarios do palácio: No verão das 10:00 às 16:30 e no inverno apenas aos sábados e domingos.
– Birka, a cidade viking. No verão saídas diárias do cais da câmara municipal às 10:00.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *